terça-feira, 6 de outubro de 2009

Resenhinha: A Casa das Belas Adormecidas de Kawabata


Com uma sutileza extrema este autor trata do sexo. Quando você lê nem se apercebe desta informação importante, mas quando te perguntam sobre o que é o livro e então relutantemente tem que responder: sexo.
Dizem que o Chico Buarque tem a alma feminina pois narra em suas letras a mulher como ela é, o Kawabata é mais mulher do que eu. Ele capta a essência e o sabor da mulher, mas também a solidão do amor.
Esse livro é sobre um lugar em que as mulheres estão dormindo e os homens pagam para dormir com elas. E o protagonista, o Eguchi, começa a ter uma relação com a mulher. Uma relação unilateral, mas que de qualquer forma para o personagem é uma relação. Ele a observa e enquanto isso revê todas as suas experiencias anteriores. O que se pode chegar a conclusão de que esta é a sua melhor relação. Uma mulher dormindo e ele velho e cansado a olhando e a testando, imaginando mil vidas para ela.
Este livro deve ser lido por que se você não conseguiu entrar em nenhuma história, nesta certamente vai conseguir entrar. As descrições sensoriais são mais do que fantásticas e quando se menos espera estamos lá na casa das belas adormecidas, observando a moça e sentindo seus cheiros e tocando-a.
E se nunca leu um japonês, melhor começar pelo melhor.


Por Marci Kühn

2 comentários:

Mateus disse...

esse deu vontade de ler

Gaio disse...

Tanquinho pela visita... :-)